Você se lembra do dia que entendi a Tua presença?
Você se lembra dos louvores contritos que já entoei?
Naquela noite chorei só por contemplar a tua Graça, Você se lembra?

Lembra de quando acordei na madrugada apenas para conversar contigo?
Ou de quando falei do Teu amor para alguém e foi tudo tão verdadeiro?
Lembra quando uma simples canção na rádio, no meio do trânsito, causou uma contemplação profunda?

Uma vez cometi um pecado várias vezes seguidas na mesma semana
e a vergonha me impedia de querer entrar em Tua presença, Você se lembra?
Aí acabei indo e Você me fez ver que pior que o pecado repetido era a minha infantil tentativa de escondê-lo,
como se houvesse algum modo de livrar-me dele, senão em Ti; Você se lembra?

Lembra de quando comecei a servir no ministério?
E depois saí, mas só pra acabar voltando pouco tempo depois… lembra?
Parecia que eu ia fazer aquilo para sempre, mas cresci e acabei mudando;
fui para em outro ministério, quem diria? Foi uma mudança até meio brusca, Você se lembra?

Sei que Tu não esqueces de nada, ainda que a mãe esqueça do filho que mama, não é? Lembras de tudo, não lembra?

Por favor…

lembra.

Pois eu, já não mais.

Amém.