Existem tristes ironias no cenário político brasileiro. A mais recente foi o tema da redação do ENEM 2015 –  “a persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira” – que sofreu uma avalanche de críticas e gerou bastante incômodo por “não ter importância” ou ser “uma propaganda de esquerda”; o que é irônico, pois, se um assunto como esse causa tamanha comoção ele não apenas é útil, é urgente.

A briga política tem se tornado algo tão grotesco que um tópico de tamanha importância parece ser veemente rechaçado por ser mais recorrente no grupo adversário. Ou talvez apenas seja mais tragável imaginar que tudo isso é apenas uma histeria política louca, e que no fim ninguém em sã consciência acha que violência contra mulher é algo de menor importância ou “invenção de feminista”.

Independente do quão óbvio um assunto possa nos parecer, explicá-lo de forma honesta e didática é uma virtude que tem se tornado rara. Mas ainda encontramos gente como a Jout Jout que fez isso super bem: