Alguns rostos já são marcados pelo tempo, outros ainda novos o suficiente para se passarem por um calouro universitário. Todos possuem em comum a experiência da guerra, bem como de tirar a vida de alguém.

Veteranos de conflitos em lugares como Afeganistão, Iraque, Vietnã, etc., falam sobre a primeira vez que mataram uma pessoa. Situações de sobrevivência, cumprimento de ordens ou ainda zona cinzentas onde sequer fica claro se realmente alguém morreu, ou não – um compilado de histórias de uma profundidade difícil até mesmo de ser medida.

– o vídeo possui legendas em inglês que podem ser ativadas e traduzidas –

“Quando você percebe que eles realmente se foram, que eles estão mortos, então o que a morte se parece é: nada. Não há nada lá. Tem um corpo lá, mas não há nada…de nenhum modo…lá.”

Ouvir sobre a morte sob uma perspectiva de quem teve que agir nesse aspecto, sem sensacionalismos ou envolvimento político, ironicamente gera um respeito ainda maior pela vida.


O canal do YouTube WatchCut – responsável pelo vídeo – está publicando os depoimentos isolados de cada um dos participantes, clique aqui para acompanhar.