Há alguns dias a EA, desenvolvedora do consagrado jogo FIFA, anunciou que a versão 2016 do jogo contará com seleções femininas.

Apesar das partidas só estarem disponíveis no modo off-line e contarem com um número reduzido de seleções, a mudança foi bastante comemorada e alimentou um questionamento intrigante:

Se cerca de 52% dos jogadores virtuais são mulheres, por que protagonistas femininas ainda são exceção na indústria dos games?

Partindo dessa premissa e colaborando com a discussão, o Diversitá em parceria com a galera do Vind – creative studio, resolveu dar uma força pros desenvolvedores e inspirá-los com versões femininas de games clássicos. Confira:

A brincadeira serve de estímulo e tem como inspiração histórias como a de Madeline Messer, que escreveu perguntando “Eu sou uma garota de 12 anos. Por que os personagens nos meus apps não se parecem comigo?” – a pergunta se direcionava ao jogo “Temple Run”, cujo único personagem feminino era preciso pagar para jogar. Após a carta, o estúdio incluiu uma garota como personagem jogável .

OUÇA MAIS SOBRE O ASSUNTO

Desenvolvendo o tema, nossos editores Daniel Serrano e Ricardo Oliveira bateram um papo juntamente com Gi Ismael e o desenvolvedor de games Rodrigo Motta no PodCast Diversitá #36 “O papel feminino nos games”. Basta clicar abaixo pra ouvir:

Você também pode ouvir no seu agregador de pocast ou leitor de feed: iTunes | Android | RSS


engaje-se

Inspirou-se? Que tal fazer também sua arte e postar nas redes sociais e mandar pra gente?

Envie para [email protected]