Dentro do “Complexo do Alemão” exista uma favela chamada “Morro do Adeus”; dentro do morro existe Tuany Nascimento; dentro de Tuany existe o desejo de impactar vidas.

A bailarina de 20 anos de idade – que já chegou a representar o Brasil em competições internacionais – conta ao the Guardian que precisou parar com sua carreira na dança em virtude de despesas que não conseguia mais arcar.

ballet capaEntretanto, ao ver uma porta se fechar em sua frente, Tuany resolveu fazer diferente e iniciou um projeto social para abrir várias portas para as garotas de sua comunidade.

Intitulado “Na Ponta dos Pés“, o projeto ensina balé para garotas desde 2012 e para a maioria delas é o único escape de um universo em contínuo conflito entre traficantes e policiais. Por não possuírem um local adequado as aulas são ministradas em um quadra de basquete, um local que, por ser aberto, já forçou o cancelamento de aulas em virtude de tiroteios.

Mas em setembro a maré começou a mudar para o projeto, pois Tuany recebeu R$ 15.000,00 para iniciar a construção de um espaço comunitário que incluirá biblioteca, oficina para workshops e uma sala equipada de dança. Negócios locais também se comprometeram a ajudar doando materiais e há também uma campanha para mais arrecadações.

Abaixo você confere a reportagem em vídeo feita pelo the Guardian:

Ver Tuany transformar as barreiras que encontrou em sua carreira em um verdadeiro trampolim para que várias garotas consigam escapar da triste realidade das favelas é inspirador.

Talvez algumas portas se fechem, não para que outras “se abram”, mas para que nos tornemos uma porta em si – a oportunidade que o outro precisa.


Para conferir a matéria completa (em inglês), clique aqui.
Capa: Frederick Bernas para ‘the Guardian’