Para quem não conhece o gênero, anime é apenas “aqueles desenhos japonês (SIC)” e coisa de gente esquisita. Entretanto, graças à finada Rede Manchete, quem nasceu dos anos 80 em diante já pôde ter contato e se apaixonar pelo estilo.

Talvez pela origem nipônica, os animes sempre ousaram infinitamente mais que as animações ocidentais. Concebendo roteiros absurdos, eles encantam por introduzir um universo completamente diferente e personagens sempre tomados por conflitos internos – em total contraste com o unidimensionalismo do He-man ou das princesas da Disney.

Se você já curte o estilo, sente curiosidade ou simplesmente quer entender por que aquele seu primo usa uma faixa com um pedaço de metal na testa, segue abaixo uma lista que foge de alguns dos clássicos como Dragon Ball/Dragon Ball Z, Cavaleiros do Zodíaco e Pokémon. Confira 5 animes para se ir além:


Importante: Grandes animes não entraram simplesmente por que não os assisti; a lista segue ordem decrescente, ou seja, o primeiro lugar é o mais recomendado.


1) Attack on Titan

Shingeki-no-Kyojin-shingeki-no-kyojin-attack-on-titan-34357634-1280-720

Shingeki no Kyojin, em Japonês, traz uma sociedade distópica onde a população mundial inteira foi confinada atrás de um conjunto enormes muralhas circulares. No exterior o mundo é habitado por Titãs, seres gigantes com aparência humana, cujo surgimento e natureza permanecem um mistério, sabendo-se apenas que eles agem apenas por instinto e se alimentam das pessoas por puro prazer.

No anime, as pessoas viveram confortavelmente dentro das muralhas por 100 anos, até que um Titã de proporções nunca antes vistas consegue quebrar uma das muralhas, criando uma atmosfera de pânico e urgência que parece nunca cessar.

“-Lute! Lute! Você só terá alguma chance de vencer se lutar!”

Curiosamente, apenas uma personagem é oficialmente asiática na série: Mikasa Ackerman. Os demais são descendentes de outras tribos e etnias, tanto que Mikasa causa estranheza e admiração por onde passa.

Por que assistir: Attack on Titan (Ataque dos Titãs, no Brasil) tem sido elogiado e virado referência no mundo todo, sendo quase uma unanimidade de crítica. O traço do desenho é muito bem feito e o enredo segue até agora fiel à história original no Mangá. Além de uma trama mais adulta e bem intrincada, o anime é repleto de simbolismos: os Titãs devorando seres humanos podem ser interpretados como uma representação gráfica do homem sendo devorado por ele mesmo, por seus instintos e comportamento animal; as muralhas revivem o mito da caverna, de Platão, e dividem a população entre os que pregam o fim de qualquer contato com o mundo externo e os que lutam por tentar entender o que se passa lá fora e abraçar a realidade, por mais dura que seja. Coroando tudo temos belas animações de ação.


2) Samurai X
maxresdefault

História centrada na vida Kenshin Himura, conhecido como Battousai – o retalhador, detentor do estilo Hiten Mitsurugi. Também conhecido como “Kenshin, o andarilho” por vagar deslocado após o fim da era Tokugawa e início da era Meiji, que marcou o fim do Japão Feudal.

Por que assistir: Apesar do enredo fantasioso sobre um ex-Samurai detentor de um estilo capaz de alcançar a velocidade suprema, o anime tem uma boa localização histórica e é bastante interessante encarar a modernização da era Meiji através de quem está inserido naquela cultura. Samurai X é artigo de alta recomendação.


3) Naruto
Naruto-shippuden_13

Em um mundo divido por nações em guerra, os ninjas são os guerreiros e as armas mais poderosas no combate. Sofrendo com o bullying e a exclusão social desde criança por possuir um demônio aprisionado dentro do seu corpo, Uzumaki Naruto desafia suas inaptidões e prova à todos que a persistência vence a força.

O uso da expressão “demônio” pode causar estranheza em uma sociedade como a nossa, de base cristã, mas no universo nipônico a questão é vista sob um aspecto diferente. Não se trata propriamente de um ser cuja essência é matar, roubar e destruir, mas sim de uma entidade espiritual com uma personalidade também humana (muitas vezes incompreendida, no que pode ser uma alusão ao medo do desconhecido).

Por que assistir: Naruto não se trata apenas da luta de um garoto por aceitação dos demais, mas também envolve questões um pouco mais densas sobre como criar uma sociedade mais justa quebrando o ciclo vicioso da violência e quais os meios adequados para tanto. Partindo para um patamar menos denso, é nesse anime que você vai entender o porquê daquela bandana metálica que seu sobrinho de 12 anos usa.


4) Death Note
raito

Com título e enredos mórbidos, Death Note (Algo como “caderno da morte”) conta a história de um jovem que em um dia de tédio encontra um caderno que ele descobre ser capaz de matar pessoas. Visualizando o rosto da vítima e escrevendo seu nome completo, Light Yagami passa a decidir o destino de todos que entram em seu mundo apenas com a ponta do lápis.

Esse item específico merece o lembrete de que trata-se de um anime adulto, nada que se refira ao quesito sexual, mas existem muitas referências errôneas e teorias furadas em relação à temas como: Bíblia, Céu e inferno; é uma obra claramente ficcional e tais referências são apenas acessórios, mas fica a ressalva.

Por que assistir: Apesar da temática pesada envolvendo um Shinigami, o anime mostra a trajetória de um ser humano que se vê detentor de um controle absurdo sobre as vidas alheias. A reflexão e o espiral de de decadência que envolvem a história de Yagami são interessantes e compensam a bizarrice do tema, além de tudo possui apenas 37 episódios – o que torna a série bastante rápida.


5) Guerreiras Mágicas de Rayearth
magic_knight_rayearth_wallpaper_3-normal

Lucy Shido, Marine Ryuzaki e Anne Hooji são três garotas convocadas para salvar o mundo mágico de Cephiro. Para tanto elas recebem espadas mágicas que evoluem, além do controle sobre um elemento natural: fogo, água e vento e também os chamados Mashins, que formam uma espécie de armadura mágica. Tudo isso, claro, usando roupas de colegial.

Por que assistir: Não dá pra ser mais japonês que a descrição acima. Os poderes envolvendo elementos naturais fazem parte de uma crítica comum nas obras japonesas, onde a urbanização sempre mata o equilíbrio perfeito do homem com a natureza.Por ter disputado horário com “Cavaleiros do Zodíaco” e “Sailor Moon”, acabou ficando ofuscado pelos dois, mas a estética é bem peculiar e vale a pena.